Páginas

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Peraí, bem





Parei tudo para ver como tu estava. Impressionante como tu ainda consegue me deixar triste. O que tu anda fazendo, amor? Fazer da tua vida uma resposta a vida de outra pessoa não é vida pra se viver. Faz da tua vida uma pergunta, que te indaga todos os dias, questionando o porquê de tudo, como se fosse uma criança.

É bom ser criança. Acho que aprendi isso contigo, inclusive. É esse teu medo de crescer, que é inerente aos homens, que te impossibilita de ir pra frente. E ir pra frente só por ir, é fazer conta. Eu te ensinei que todo príncipe precisa ter o pé no chão. Não adianta botar a culpa no vilão.

O que eu vou dizer vai doer, mas tu é a única pessoa que pode te salvar. O mundo é muito grande pra gente poder abraçar. Esse é o único conforto que posso te dar. Tu é bom de recomeço. Muito melhor do que eu. Mas eu sei o que é seguir em frente. Eu consegui achar novas perguntas. Prefiro viver na incerteza do meu destino, do que me ater a uma certeza de um destino comum.

Essa tua fraqueza disfarçada de retomada não é bonita. É dolorida. Deixa teu olhar mais pesado. Tua respiração mais temerosa. Teu coração em desespero. É, eu sei eu teu coração anda em desespero. E sei também que tu não vai admitir isso nem sob tortura. Leoninos são assim, não sabem dar o braço a torcer. Mas um dia todo mundo cai na real. Mesmo que seja tarde. E nesse momento tu vai sentir o meu perfume.